sexta-feira, 29 de abril de 2011

Entidades da Ufal lançam nota pública sobre as eleições da Reitoria

Falta de democracia, atropelo das discussões, apadrinhamento político e afastamento da comunidade acadêmica sempre foram marcas da atual administração da Universidade Federal de Alagoas.

Não bastasse o desprezo perante as manifestações e apelos feitos por estudantes, técnicos e professores dos mais variados Campi da UFAL (inclusive com uso da repressão e chantagem quando "necessário") em inúmeros momentos da gestão, a Reitoria e o Conselho Universitário - onde a primeira tem maioria absoluta - resolveu dar mais um golpe na comunidade acadêmica.

Este ano ocorrerá o processo para a escolha da nova administração central da universidade e, como parece óbvio, é hora de fazer um balanço geral dos últimos anos e de toda a política levada a cabo pela Reitoria. Contudo, o "óbvio" para nós não é tão óbvio assim para quem hoje está a frente da gestão.

Como na última eleição ocorrida em 2007, não restam dúvidas de que o peso do aparato será utilizado para beneficiar a candidatura da situação, afinal, como sabemos, além dos privilégios advindos de uma vitória no pleito a gestão atual segue como fiel escudeira das políticas educacionais do Governo Lula/Dilma, responsável direta pela implementação dos conhecidos ataques destes governos à educação pública. Isto sem entrarmos na discussão de que, oficialmente, trata-se apenas de uma "consulta" à comunidade universitária, já que a decisão final será feita pela Presidência da República pois, segundo as regras "democráticas" do estado brasileiro, o cargo de Reitor de uma Instituição Federal de Ensino Superior é um cargo de confiança do Executivo Federal. Porém, para Ana Dayse, Eurico Lobo e companhia, as coisas não podem parar por aí.

Com o claro objetivo de evitar maiores discussões e minar o surgimento de candidaturas oposicionistas quem ganhem peso na comunidade acadêmica, os representantes da situação decidiram antecipar a data das eleições e colocá-las no final do semestre letivo (1º turno) - período em que a maioria dos estudantes já não terão aulas - e nas férias (2° turno). Todavia, tudo aponta que o tiro vai sair pela culatra.

Além da repercussão que esta manobra já tem na universidade, com manifestações de indignação vindas das mais diversas direções, agora, as entidades representativas das três categorias - que formam a Comissão Eleitoral - decidiram lançar uma nota pública repudiando a decisão do Conselho Universitário (Consuni) e propondo a rediscussão da data das eleições.

Nós do PSTU parabenizamos a decisão tomada pela Comissão Eleitoral e reproduzimos abaixo a nota na integra.

----------------------------------------------------------------------

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
Associação dos Docentes da UFAL ADUFAL
Sindicato dos Trabalhadores da UFAL SINTUFAL
Diretório Central dos Estudantes DCE
COMISSÃO CENTRAL ELEITORAL 2011

Nota

A Comissão eleitoral formada por representantes das três categorias da UFAL (ADUFAL, SINTUFAL, DCE), designada pelo conselho universitário (CONSUNI) para conduzir o processo de consulta à comunidade acadêmica sobre a sucessão para reitor da UFAL vem tornar público o seu posicionamento sobre a impossibilidade de se haver eleições na data fixada pelo CONSUNI.

1- Entendemos que a data para ocorrer o processo de votação para a reitoria, estabelecida pelo CONSUNI é um atentado contra a democracia interna da UFAL, tendo em vista que a maioria dos estudantes estará em férias. Dessa forma, se aceitássemos esta data, estaríamos excluindo a participação da maior categoria da Universidade, que hoje, são aproximadamente 20 mil estudantes, condição que justifica a sua existência enquanto instituição federal de ensino superior.

2- É importante ressaltar que estaremos realizando uma das maiores eleições para a reitoria da UFAL, visto que com a interiorização e ampliação de vagas em praticamente todos os cursos, o número de integrantes da comunidade acadêmica aumentou consideravelmente nestes dois últimos anos. Portanto, é de suma importância termos um espaço de tempo amplo para que todos possam expor suas idéias, fazer suas análises e tomar seus posicionamentos sobre todo este processo de transformação da UFAL.

3- É necessário apontarmos também que data limite para mandarmos a lista tríplice para o ministério da educação é 03 de setembro. Assim, a comissão eleitoral, por unanimidade, vem propor a realização de uma sessão extraordinária do conselho universitário para que o mesmo aprecie nossa solicitação de alteração de data para a realização das eleições. Propomos que as eleições ocorram no período de agosto 16 (1º turno) à 23 de agosto (2°turno).

Esperamos que o CONSUNI reveja a sua posição para que a história da democracia interna da UFAL não seja manchada mais uma vez. Almejamos que, a exemplo dos últimos processos eleitorais, possamos realizar um processo democrático, no segundo semestre, sem pressa, e com tempo hábil para que todos possam exercer seu papel na escolha sobre quem estará à frente da UFAL nos próximos 4 anos.

Portanto, deixamos claro que a comissão não lançou nenhum edital de consulta. Nesse sentido repudiamos a exposição e distribuição de qualquer material de campanha, tais como: adesivos, camisas, chaveiros, etc.

Maceió, 27 de Abril de 2011

Atenciosamente,
ADUFAL, SINTUFAL, DCE.

1 comentários:

don ramon disse...

Espero realmente que essa data mude, porque eu não acredito que essa comissão faça parte da maioria do consuni que é peça de manobrado da reitora “Ana Deusa”...!

Postar um comentário